Estabilidade emocional

Detectámos que tem um Ad Blocker ativo.

As receitas provenientes da publicidade permitem-nos continuar a produzir artigos de qualidade. Considere desligar o Ad Blocker neste site. Obrigado pelo seu apoio.

A estabilidade emocional é podermos contar com as ferramentas emocionais adequadas para enfrentar as situações que se nos apresentam na vida, sem nos prejudicarmos, nem aos outros.

Estabilidade emocional

O que é a estabilidade emocional?

Estabilidade: “Propriedade de um sistema de voltar ao estado de equilíbrio depois de sofrer uma perturbação.”

Emoções: Reacções subjectivas ao ambiente, sendo acompanhadas de respostas neuronais e hormonais, que tanto podem ser agradáveis como desagradáveis.

As principais emoções são a ira, tristeza, alegria, medo, raiva, surpresa, interesse, vergonha, desprezo e culpa.

A estabilidade emocional é contar com as ferramentas emocionais adequadas para enfrentar as situações que se nos apresentam na vida. É a livre expressão das emoções no local, momento e nas pessoas certas, sem nos prejudicarmos a nós mesmos, nem aos demais. A estabilidade emocional tem a ver com a coerência e a assertividade, é mostrar o que se sente, sem danificar ou exercer pressão.

A estabilidade emocional está presente em todas as áreas da nossa vida, incluindo as relações com nós mesmos, com os demais e com o mundo.

 

Em que me ajuda a estabilidade emocional?

As emoções são essenciais para a sobrevivência, para manifestar o estado anímico ou uma necessidade emocional. Também ajuda interpretar as emoções dos outros e a relacionar-nos com eles, já que se nos apercebermos que alguém está furioso, não nos aproximamos dele, mas se verificarmos que está mais alegre, então já temos a tendência de nos aproximar.

A estabilidade emocional ajuda-nos a ter uma melhor auto-estima e relações mais saudáveis, ajudando-nos a mostrar como somos. Pode também ajudar-nos a esconder as emoções com uma máscara, e a manter o controlo das nossas emoções. Por exemplo, se no trabalho nos irritamos com alguma coisa, permite-nos não perder o controlo e não gritar com os colegas, chefes ou clientes, controlando o sentimento de fúria e a expressar-nos tranquilamente, sem prejudicar a nossa imagem ou o nosso emprego.

 

Todos temos estabilidade emocional?

Infelizmente nem todos têm estabilidade emocional, havendo muitas pessoas que não conseguem controlar as suas emoções, sendo impulsivos e deixando-se levar.

Todos temos emoções, mas o importante não é não sentir nada, mas sim termos o poder para controlar a sua manifestação e intensidade. Alguém que se zanga, pragueja e até mesmo bate nos outros, não tem estabilidade emocional. Por exemplo, num supermercado quando alguém nos bate acidentalmente com um carro de compras, obviamente que com a dor nos vamos voltar e o primeiro impulso é reclamar ou bater na outra pessoa, mas nesse pequeno instante nós conseguimos (normalmente) controlar-nos e apenas mostramos uma cara zangada e de dor, a outra pessoa pede-nos desculpa e embora possamos estar magoados e doridos não reclamamos, não vamos bater nele, nem o vamos insultar, pois sabemos que foi um acidente. Isto é ter estabilidade emocional, já que sentimos a fúria mas conseguimos expressar-nos de forma controlada. Pelo contrário, se nos viramos, gritamos, insultamos e até batemos (bater é um extremo) então não temos estabilidade emocional, já que não conseguimos conter as emoções, não conseguimos controlá-la, mas somos controlados por elas.

Quando existe dor emocional devido a uma perda, a dor expressa-se através do choro, de cólera, de tristeza, etc., mas quando caímos em condutas agressivas ou prejudiciais, como por exemplo um vício ou uma conduta compulsiva para fugir à dor, então não existe estabilidade emocional. A dor por muito forte que seja ou que sentimos, faz parte da vida, há que chorar, lamentar, zangar, entristecermo-nos, etc., mas não devemos fugir, pois assim os sentimentos ganharão mais força e impulso, podendo causar danos maiores como uma depressão, uma adição ou alguma conduta destrutiva.

As pessoas que têm tristeza, choram e se lamentam durante um determinado período de tempo porque estão enlutadas, têm estabilidade emocional. No entanto, as pessoas que não choram e não expressam a sua tristeza, fogem, não querem ver a realidade e não querem enfrentar a verdade, não têm estabilidade emocional. O mesmo se passa com as pessoas que permanecem num estado de luto e não recuperam.

 

Algum conselho?

  • Conheça e aceite as suas emoções. Todas as emoções são importantes, têm uma função especial na nossa vida, não é mau zangar-se, nem sequer sentir tristeza, aqui o que é importante é não perder o controlo das emoções. Por exemplo, sentir demasiada alegria pode ser uma mania, uma pessoa tão feliz que não consegue ver a tristeza nos outros, tem a tendência para ser insensível à dor alheia. Ou uma pessoa tão feliz que não aceite a sua própria tristeza, apenas estará a enganar-se e provavelmente irá manifestar-se futuramente e nem sempre será da melhor forma.
  • Fale, expresse o que sente com pessoas de confiança.
  • Peça o que quer às pessoas certas.
  • Não use uma máscara de felicidade.
  • Faça exercícios de relaxamento.

Imagem @Jonathan Emmanuel Flores Tarello

loading...

Um comentário

  1. Vinicius moraes

Deixe o seu comentário


SUBSCREVER GRÁTIS

Subscreva a nossa lista de email e receba novos artigos e actualizações comodamente na sua caixa de email.

Obrigado por nos subscrever.

Algo correu mal...