Verdades e mentiras sobre a soja

Detectámos que tem um Ad Blocker ativo.

As receitas provenientes da publicidade permitem-nos continuar a produzir artigos de qualidade. Considere desligar o Ad Blocker neste site. Obrigado pelo seu apoio.

Verdades e mentiras sobre a sojaCada vez somos mais bombardeados com publicidade sobre as propriedades e os benefícios da soja na saúde. Este alimento apareceu com força no mercado e o seu consumo cresce cada vez mais. Bo entanto, não é assim tão boa como a pintam, uma vez que é preciso tomar algumas precauções em relação ao seu consumo.

Foi-nos dado a entender que a soja e os seus derivados são uma extraordinária fonte de saúde capaz de substituir alguns alimentos como a carne ou o leite. De facto, trata-se de um alimento rico em proteínas vegetais e aminoácidos essenciais, pelo que tem um grande valor nutricional. Para além disso, é composta por fitoestrógenos e minerais, especialmente cálcio, ferro, zinco e ácidos gordos polinsaturados. Mas então o que tem de mau?

A maior parte dos especialistas têm a mesma opinião de que tanto o cultivo como o tratamento da soja tem influência na qualidade e nos benefícios para a saúde. No entanto, é um dos cultivos transgénicos mais comuns, e frequentemente os seus nutrientes não são absorvidos pelo organismo humano porque não segue o processo de fermentação natural indispensável.

Muitos estudos concluíram que o consumo moderado de soja (abaixo das 30 gramas diárias) confere-lhe um valor proteico semelhante ao de outros alimentos (carne, ovos ou leite). Para além disso trata-se de um bom produto para ajudar a controlar o peso, para fortalecer os ossos e prevenir algumas doenças como a osteoporose, para controlar e reduzir o risco de doenças cardiovasculares e é benéfica para ajudar o trânsito intestinal.

Em contrapartida, os fitoestrógenos têm gerado muita controvérsia, já que actuam de forma similar à hormona feminina com o mesmo nome. Para algumas pessoas é a melhor forma de aliviar os sintomas da menopausa e exerce uma acção preventiva em relação ao aparecimento de determinados tipos de cancro. Pelo contrário, os detractores são de opinião de que a ingestão excessiva de estrogénios pode afectar negativamente o sistema endócrino e mesmo causar problemas no sistema de reprodução. Para além disso alguns estudos consideram que a presença de fitatos (ácido fítico) faz com que a absorção de vitaminas e minerais seja mínima.

Um comentário

Deixe o seu comentário


Este artigo foi útil?

Então subscreva a nossa newsletter para receber novos artigos comodamente no seu email.

Obrigado por nos subscrever.

Algo correu mal...

Os seus dados estão seguros connosco. Veja a nossa Política de Privacidade.

Os cookies ajudam-nos a fornecer os nossos serviços. Ao utilizar os nossos serviços, concorda com a utilização de cookies. Saber mais

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close