Quando se deve fazer operação às amígdalas e quais são os riscos

Detectámos que tem um Ad Blocker ativo.

As receitas provenientes da publicidade permitem-nos continuar a produzir artigos de qualidade. Considere desligar o Ad Blocker neste site. Obrigado pelo seu apoio.

operação às amígdalas

O que são as amígdalas?

As amígdalas são estruturas linfáticas que pertencem ao sistema imunitário. Estão na cavidade orofaríngea posterior, próximo da entrada das vias respiratórias.

Têm a função de nos proteger dos agentes contaminantes, capturando os germes que causam as infecções provocando a inflamação das amígdalas, ou seja, filtram os germes que tentam invadir o corpo e ajudam a desenvolver os anticorpos contra os germes. Esta função é extremamente importante durante os primeiros anos de vida.

 

O que é a amigdalite?

A amigdalite não é senão a inflamação das amígdalas. É uma doença muito frequente durante a infância, sendo produzida por uma infecção (bacteriana ou viral) das amígdalas.

 

Sintomas e sinais de amigdalite

  • Hipertrofia das amígdalas.
  • Garganta vermelha e com uma camada branca ou amarela sobre as amígdalas (por vezes sem ela).
  • Dor
  • Alterações na voz.
  • Dificuldade em engolir.
  • Febre
  • Adenopatias cervicais.
  • Halitose (mau hálito).

Devido à sua localização à entrada do sistema respiratório e do tracto digestivo, quando as amígdalas se inflamam podem interferir com a respiração e a deglutição.

 

O que é a amigdalectomia?

É a remoção cirúrgica das amígdalas. É realizada geralmente devido aos problemas respiratórios do paciente.

Costuma ser necessário fazer um jejum de 6 horas antes da operação. O procedimento cirúrgico pode demorar entre 30 a 60 minutos. O período de recuperação pós-operatório oscila entre os 10 e os 15 dias.

 

Quando devem ser removidas as amígdalas?

Recomenda-se a remoção das amígdalas nos seguintes casos:

  • Mais de sete episódios de amigdalite por ano.
  • Mais de cinco episódios por ano, em cada um dos dois anos anteriores.
  • Mais de três episódios por ano, em cada um dos três anos anteriores.
  • Uma amigdalite que não melhora com o tratamento antibiótico.
  • Um abcesso periamigdaliano que não melhora com o tratamento farmacológico ou drenagem.
  • Por complicações derivadas do aumento de tamanho das amígdalas: apneia nocturna durante o sono, dificuldade em engolir, outras doenças relacionadas com as amígdalas.

 

Riscos da operação às amígdalas

  • Reacções aos anestésicos.
  • Inchaço e problemas respiratórios.
  • Hemorragia durante a cirurgia e/ou a cicatrização.
  • Infecções.

Deixe o seu comentário


Este artigo foi útil?

Então subscreva a nossa newsletter para receber novos artigos comodamente no seu email.

Obrigado por nos subscrever.

Algo correu mal...

Os seus dados estão seguros connosco. Veja a nossa Política de Privacidade.

Os cookies ajudam-nos a fornecer os nossos serviços. Ao utilizar os nossos serviços, concorda com a utilização de cookies. Saber mais

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close