Quando o stress se transforma em distress

Detectámos que tem um Ad Blocker ativo.

As receitas provenientes da publicidade permitem-nos continuar a produzir artigos de qualidade. Considere desligar o Ad Blocker neste site. Obrigado pelo seu apoio.

Há um stress positivo (eustress) que nos deixa num estado mais alerta e que ajuda a melhorar a nossa actividade diária, mas quando se torna excessivo então transforma-se em distress, ou seja, já é negativo. Vamos aprender a diferenciá-los.

stress

Existe um stress positivo

Normalmente associa-se o stress a algo patológico, mas o eustress, nome dado ao stress positivo, coloca-nos num estado de predisposição para a acção. Não nos devemos esquecer que este é um sistema de sobrevivência e adaptação ancestral graças ao qual o nosso organismo se prepara para uma situação que requere um esforço maior, seja para caçar uma presa ou para fugir a uma fera, através de uma série de neurotransmissores e hormonas que optimizam as nossas capacidades físicas para, de acordo com cada caso, optar por uma dessas possibilidades.

O stress positivo é o que sentimos, entre muitas outras coisas, perante a criatividade, o entusiasmo ou uma actividade física agradável (desportiva ou de outro tipo). Mas quando as situações de stress se acumulam e começaram a ter causas menos agradáveis, então este começa a transformar-se em distress.

distress

O distress e as sociedades modernas

Há imensas pessoas que sofrem de distress em algum grau. Algumas investigações indicam que 89% dos adultos norte-americanos padecem dos seus sintomas, e 59% dizem mesmo tê-los uma vez por semana. É bastante comum nas sociedades modernas e muitas vezes é mesmo algo razoável.

Mas o grau e persistência deste estado em que imensas pessoas vivem de forma praticamente diária, assumindo-o como algo normal do dia-a-dia, é que é realmente preocupante.

eustress

As 5 fases do distress

O Instituto Canadiano do Stress, depois de estudar milhares de pessoas com distress, descobriu cinco fases distintas da sua evolução:

Estas são as 5 fases do stress negativo:

  • 1ª Fase do distress (fadiga física e/ou mental): Começa por se sentir alguns sinais de que a vitalidade está a diminuir com picos regulares de fadiga, maior sonolência, desmotivação, etc. Com o tempo vai piorando, mas normalmente nesta fase as análises médicas não mostram nenhuma prova orgânica da doença.
  • 2ª Fase do distress (mau humor que causa problemas pessoais): a pessoa começa a ficar facilmente irritável, de mau humor, etc. Em consequência, surgem problemas com colegas de trabalho, família e amigos, o que potencia a sensação de mau humor e desamparo, criando-se assim um círculo vicioso. Consequentemente, a pessoa torna-se mais solitária tomando uma atitude de revolta contra o mundo.
  • 3ª Fase do distress (descontrolo emocional): Após a tensão interna criada na segunda fase, entra-se numa etapa emocionalmente cada vez mais agitada que acaba por perturbar as capacidades do individuo, o qual começa a duvidar de si mesmo devido a problemas de concentração, pessimismo ou de tomada de decisões, intensificando-se também as dificuldades de relacionamento interpessoal, e dificultando a manutenção do equilíbrio emocional. Pode derivar facilmente em depressão ou explosão emocional à mínima situação.
  • 4ª Fase do distress (doenças físicas crónicas): o corpo começa a manifestar as consequências por passar tanto tempo num estado de stress já crónico. O principal sintoma é a tensão muscular, especialmente nas zonas cervicais, ombros e região lombar, para além de dores de cabeça (enxaquecas incluídas). Ainda assim, nesta fase nada aparece nas análises médicas. Estes sintomas podem ser aliviados com o recurso a acupunctura, massagens, exercício físico, etc. No entanto, isto é apenas um “remendo” temporário, continuando a ser necessário tratar o distress que é a verdadeira causa do problema.acupunctura
  • 5ª Fase do distress (patologias físicas): é um estado de esgotamento crónico, sendo já aqui visíveis os danos físicos acumulados durante todo esse tempo. Nalguns casos podem mesmo manifestar-se na forma de doenças comuns, desde resfriados, gripe, asma, úlceras, colites, etc., ou mesmo doenças mais graves, como hipertensão, problemas cardiovasculares que podem mesmo vir a provocar um enfarte.

Deixe o seu comentário


SUBSCREVER GRÁTIS

Subscreva a nossa lista de email e receba novos artigos e actualizações comodamente na sua caixa de email.

Obrigado por nos subscrever.

Algo correu mal...

Os cookies ajudam-nos a fornecer os nossos serviços. Ao utilizar os nossos serviços, concorda com a utilização de cookies. Saber mais

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close