Porque coramos?

Detectámos que tem um Ad Blocker ativo.

As receitas provenientes da publicidade permitem-nos continuar a produzir artigos de qualidade. Considere desligar o Ad Blocker neste site. Obrigado pelo seu apoio.

corarQuando estamos apaixonados e vemos a pessoa de quem gostamos, quando nos dizem algo bonito, mas também quando temos que falar em público ou cometemos um erro.

São muitos os motivos e as circunstâncias que nos fazem ficar corados. Mas já alguma vez se questionou porque isto acontece? Porque coramos? Apesar de todos os avanços da ciência, os especialistas todavia ainda não conseguiram responder a este grande mistério. Tem curiosidade de conhecer mais detalhes sobre esta reacção involuntária? Pois então continue a ler. Vamos ver se você também fica corado…

 

A adrenalina, a grande culpada

Ficar corado é uma reacção totalmente involuntária e que ninguém consegue controlar. E qual é a principal razão para esta reacção tão humana?

O rubor é controlado pelo Sistema Nervoso Simpático, sendo totalmente involuntário. Quando sentimos vergonha, o nosso corpo liberta adrenalina, que actua como um estimulante natural e provoca certas respostas no nosso corpo. Que tipo de respostas? Todos as conhecemos. Respiração e ritmo cardíaco acelerado, pupilas dilatadas…

A adrenalina é a culpada pela dilatação dos vasos sanguíneos, permitindo o fluxo sanguíneo e também a entrada de oxigénio. Por tudo isso ficar corado estará relacionado com este processo. Ou seja, as veias da cara dilatam-se e permitem que flua mais sangue do que o habitual. Por outras palavras, o rosto fica ruborizado.

 

A socialização dos seres humanos

No entanto, o mais curioso de tudo é que as veias não costumam responder à mensagem enviada pela adrenalina. A única excepção são as veias da cara, que recebem esse sinal que permite à adrenalina cumprir a sua função.

Naturalmente que existem muitas mais teorias sobre a razão de ficarmos corados. Para muitos cientistas e especialistas, corar tem uma base social em vez de física. Todavia não existe nenhuma resposta exacta e claramente demonstrada sobre esta reacção humana.

 

Você tem alguma teoria que gostasse de partilhar?

loading...

Deixe o seu comentário


SUBSCREVER GRÁTIS

Subscreva a nossa lista de email e receba novos artigos e actualizações comodamente na sua caixa de email.

Obrigado por nos subscrever.

Algo correu mal...