Rica Saude

O que são estatinas, para que servem, efeitos colaterais e riscos

Quais os efeitos adversos que as estatinas podem causar? Também vamos saber para que servem e porque são usados para a saúde cardiovascular.
As estatinas são conhecidas em farmacologia como um grupo de medicamentos usados para reduzir o colesterol em pacientes que apresentam níveis elevados de colesterol, uma condição clinicamente conhecida como hipercolesterolemia. Estes pacientes têm maior risco de desenvolver depósito e infiltração de gorduras nas artérias (aterosclerose) e de sofrer algum episódio de doença cardiovascular.
Portanto, o seu uso clínico é recomendado em caso de níveis elevados de colesterol e como prevenção cardiovascular (em caso de eventos coronários ou cardiovasculares).
No entanto, recentemente, muitos especialistas questionam quais os reais benefícios das estatinas na prevenção de doenças cardíacas, especialmente por causa dos efeitos adversos que elas apresentam no curto e longo prazo.

O que são estatinas? Para que servem?

Até medicamentos para o colesterol têm riscos, pois têm como elemento principal as estatinas.
Devemos ter em mente que este tipo de medicamento anti-colesterol costuma ser prescrito numa das seguintes circunstâncias:
Claro que deve ser sempre o médico a prescrever o consumo ou não destes medicamentos, pois é necessária uma prescrição médica prévia para poder tomá-los e comprá-los na farmácia.
As estatinas são elementos que podemos encontrar em certos medicamentos anticolesterol, usados justamente do ponto de vista médico e farmacológico para baixar os níveis elevados de colesterol.
Devemos levar em consideração que o nosso corpo precisa de colesterol para funcionar corretamente. Mas quando esse colesterol é excessivo, ele tende a aderir às paredes das artérias.
Portanto, as estatinas auxiliam na redução do colesterol, pois interferem na produção de colesterol no fígado, podendo até baixar os níveis do colesterol LDL e aumentar o colesterol HDL.

Efeitos adversos do consumo de estatinas

A própria US Food and Drug Administration (FDA) alertou recentemente sobre os diversos efeitos colaterais que o consumo de estatinas pode causar, pois embora seus efeitos sejam “indiscutíveis”, devem ser tomados com cautela.
A maioria dos estudos científicos realizados com o objetivo de analisar e verificar quais são os efeitos colaterais, revelou alguns dos seus efeitos adversos:
Por esse motivo, o FDA informou que devem haver indicações nos rótulos das estatinas sobre os seus efeitos adversos, entre os quais perda de memória ou elevar os níveis de açúcar no sangue, entre outros.

Contra-indicações das estatinas

Embora as estatinas sejam seguras para a maioria das pessoas, elas não são recomendadas nos seguintes casos:
Para além disso, como já referimos, os pesquisadores estão atualmente a estudar não só o uso de estatinas para tratamento de outras doenças, mas também foi verificado que o acompanhamento de um tratamento intensivo superior a 80 mg. por dia pode aumentar o risco de doenças metabólicas, como por exemplo a diabetes.

Em questão os benefícios das estatinas para a prevenção de doenças cardíacas

Estudos recentes colocam o uso de estatinas como remédio preventivo contra doenças cardíacas.
Neste momento, a comunidade médica americana debate os prós e os contras do uso de estatinas como preventivos de doenças cardíacas, principalmente quando esse uso não é indicado, e principalmente se levarmos em consideração alguns de seus principais efeitos colaterais: o seu consumo regular parece estar associado ao aumento de doenças reumáticas, principalmente em indivíduos fisicamente ativos, além de incluir o risco de diabetes tipo 2, lesões renais a curto prazo e lesões musculares reversíveis a longo prazo.
Por outro lado, os médicos especialistas tendem a ter clareza sobre suas qualidades médicas na prevenção, principalmente para quem já tove um acidente cardiovascular. No entanto, no caso de um paciente que ainda não teve ataque cardíaco ou acidente vascular cerebral, a prescrição de estatina diária por cinco anos poderia reduzir o risco em apenas 1%. Portanto, a sua prescrição seria realmente justificada em pacientes de baixo risco, se levarmos em consideração alguns de seus efeitos colaterais?
Pelo menos nos Estados Unidos e no Canadá, é costume a maioria dos médicos prescrever drogas com estatinas como prevenção primária, mesmo que esses pacientes não tenham doença cardíaca estabelecida.

Os riscos dos medicamentos para baixar o colesterol

Como já mencionamos, quando os níveis de colesterol estão muito altos, há hipercolesterolemia familiar, ou os números acima do normal não diminuem mesmo que se siga um estilo de vida saudável, é comum que o seu médico prescreva certos medicamentos para o colesterol.
Esses medicamentos contêm estatinas, que ajudam a manter os níveis de colesterol no sangue sob controle, sendo úteis, por sua vez, para reduzir o risco de futuros problemas cardiovasculares.
Embora estudos recentes tenham mostrado que a terapia intensiva com esses medicamentos (altas doses de 80 mg por dia) pode aumentar o risco de desenvolver doenças metabólicas, como diabetes.
Os especialistas estão investigando as possíveis consequências ou riscos de seguir um tratamento de colesterol com altas doses de estatinas, especialmente se levarmos em conta que um tratamento convencional não exceda os 20 mg. diários.
Exit mobile version