Melatonina para dormir e curar as insónias

Detectámos que tem um Ad Blocker ativo.

As receitas provenientes da publicidade permitem-nos continuar a produzir artigos de qualidade. Considere desligar o Ad Blocker neste site. Obrigado pelo seu apoio.

dormir bemA melatonina é a hormona do sono, responsável por regular os ciclos do sono e vigília, entre outras funções biológicas. É segregada de forma natural através da glândula pineal do sistema endócrino, e a sua quantidade aumenta à noite.

Esta característica transforma-a no regulador do nosso “relógio biológico”. Ao mesmo tempo que aumenta a secreção da hormona do crescimento, melhora o sistema imunitário e regula o nosso apetite, para além de muitas outras funções que ainda estão em estudo.

 

Um remédio contra as insónias?

O uso para tratar os transtornos do sono, sobretudo as insónias, é a sua aplicação mais habitual, apesar dos estudos científicos apontarem para novas aplicações a que se juntam muitas outras, como iremos ver nas últimas linhas deste artigo.

Dado que as insónias podem ter causas diversas e não somente um défice de melatonina, encontrar o tratamento adequado para cada paciente é o ponto fundamental para daí encontrar a solução para este problema. É por isso que deve-se estabelecer um tratamento apenas depois de ter sido feito um diagnóstico correcto para assim se poder ultrapassar as insónias.

Nestes casos, pode ajudar a tratar os desequilíbrios do sono em pessoas que trabalham durante a noite, no tratamento do transtorno afectivo sazonal ou em transtornos do sono que aparecem após as cirurgias.

De uma forma geral, a melatonina não deve ser considerada com sendo um simples comprimido para dormir natural e de efeitos quase milagrosos. Com efeito, não produz sensação de sonolência e, por outro lado, o seu uso durante o dia pode mesmo ter efeitos adversos, entre os quais depressão.

Isso não significa que os suplementos de melatonina não nos possam ajudar a pegar o sono à noite. Mas para isso deve-se tomar as doses adequadas, que podem variar de paciente para paciente, mas sempre descartando anteriormente outras possíveis causas para as insónias, uma vez que o défice de melatonina não é comum.

Por outro lado, os suplementos de melatonina adoptam diferentes formatos, desde gotas ou comprimidos, até produtos feitos de forma específica para uma libertação progressiva. Repetimos novamente: depende do médico fazer esta escolha. E é também importante definir qual a dose certa a tomar, durante quanto tempo, qual a melhor altura e forma de tomar.

Nem tudo são vantagens, especialmente quando tomada de forma indiscriminada. Com efeito, consumir melatonina como um suplemento alimentar requer acompanhamento médico para não se romper com o equilíbrio hormonal, quer quando se toma, como quando se deixa de tomar.

Supondo que o equilíbrio hormonal não esteja alterado pela ingestão de melatonina, também iríamos correr outros riscos médicos. Não nos esqueçamos que, por exemplo, se trata de uma hormona que afecta diversas funções do nosso organismo.

Devemos igualmente estar precavidos para o caso de haver algum problema médico que nos possa afectar de diversas formas. Em suma, mesmo quando tomada de forma pontual devemos sempre fazê-lo sob supervisão de um profissional de saúde, até porque em muitos casos poderá ser possível recorrer a outros produtos menos invasivos.

Sem ir mais longe, basta muitas vezes ter uma boa rotina antes de irmos dormir, evitando os aparelhos electrónicos, desligando as luzes e jantando de forma ligeira e algumas horas antes de ir para a cama. Também poderá ser uma boa ajuda beber uma simples chávena de leite morno antes de dormir. Muitas vezes, é suficiente ter este tipo de hábitos, não havendo necessidade de consumir melatonina que pode muitas provocar frequentemente dependência e/ou um efeito ioiô.

melatonina

Outros usos da melatonina

Para além de ser usada para regular o relógio interno de sono e vigília, a melatonina é usada também para tratar diversos problemas de saúde. Entre outros, a depressão, a fibromialgia, as dores de cabeça, a epilepsia, assim como para reduzir os efeitos secundários provocados pela quimioterapia ou atrasar o envelhecimento.

Logicamente que qualquer uso deve ser feito sob supervisão de um médico, sobretudo quando é feito de forma habitual. Deve-se ainda ter em conta que pode haver interacções com outros medicamentos. Uma consulta personalizada é essencial, pelo que também devemos fugir das recomendações feitas por conhecidos.

A melatonina pode afectar a acção de outros fármacos, mais um motivo que aconselha o acompanhamento médico. Por último, a melatonina é contra-indicada para grávidas e mulheres que se encontrem a amamentar, uma vez que se trata de uma substância que pode chegar ao feto ou ao bebé, respectivamente.

loading...

Deixe o seu comentário


SUBSCREVER GRÁTIS

Subscreva a nossa lista de email e receba novos artigos e actualizações comodamente na sua caixa de email.

Obrigado por nos subscrever.

Algo correu mal...