Falta de memória

Detectámos que tem um Ad Blocker ativo.

As receitas provenientes da publicidade permitem-nos continuar a produzir artigos de qualidade. Considere desligar o Ad Blocker neste site. Obrigado pelo seu apoio.

memóriaA memória é a nossa capacidade de recordar uma informação determinada (dados, odores, emoções, lugares, etc). Existe uma memoria imediata e uma antiga. É curioso que haja pessoas que não recordam o que comeram no dia anterior e por outro lado, recordam-se de coisas que aconteceram à 40 anos atrás. Memória, memória, memória, memória, memória, memória, memória, memória,

A capacidade de concentração, o nível de stresse, a dieta, a idade, a tendência genética, a qualidade do sono, os hábitos tóxicos e a actividade intelectual são factores importantes que contribuem para se ter uma boa ou má memoria.

 

Interpretação emocional da falta de memória

Esquecer é tentar esconder coisas ou aspectos da nossa vida de que não gostamos. É uma tentativa de apagar o passado e começar de novo, mas a nossa capacidade de aceitar qualquer coisa nova do exterior (amor, ajuda, aprender coisas novas, etc) também foi bloqueada e por isso não vale a pena tentar recordar ou assimilar.

 

Emoção positiva para a falta de memória

Aceito o meu passado, não me sinto culpado dos meus actos, apenas tento aprender para não repetir os mesmos erros. Todo o meu ser está aberto a aprender e a integrar novas coisas.

 

Fitoterapia

O ginko biloba melhora a irrigação sanguínea do cérebro, aumenta o oxigénio lavado pela corrente sanguínea para o cérebro e actua como um excelente antioxidante.

falta de memória

Nutrição

Em primeiro lugar temos de eliminar os hábitos tóxicos como o álcool, tabaco e as drogas, os quais favorecem os radicais livres e sobretudo interferem na síntese de neurotransmissores.

Equilibrar a nossa dieta para que não faltem antioxidantes (principalmente vitamina A, C, E e selénio). Aumentar o consumo de frutas, verduras, legumes e cereais integrais e por outro lado, diminuir ou eliminar as carnes vermelhas, enchidos, gorduras e alimentos refinados e fabricados industrialmente.

Organizar a dieta para que não se passem mais do de 5 horas sem comer, para evitar hipoglicemias. O cérebro precisa de combustível de forma continua. É importante manter, por isso, equilibrado os níveis de açúcar (glicose) no sangue.

Cuidar para que não faltem proteínas na dieta também irá ajudar.

O excesso de açúcar também não será muito conveniente já que favorece as hipoglicemias. É melhor usar adoçantes naturais como a stevia, agave, mel, etc.

Um sangue livre de gorduras é imprescindível para que as artérias que irrigam o cérebro o façam correctamente. O alho, a lecitina de soja, a fibra e os ácidos gordos são as melhores armas.

A falta de vitamina B12, ácido fólico e ferro também se podem repercutir na nossa capacidade mental.

As algas marinhas podem ajudar a evitar o hipotiroidismo e a acumulação de metais pesados que também podem ser responsáveis pelo declínio intelectual.

 

Outros conselhos

Os especialistas recomendam exercitar a memória praticando com coisas simples (a lista de compras, recordar detalhes de um filme ou de um livro, números de telefone de amigos ou familiares, o que tomou ontem ao pequeno almoço, qual a roupa que vestiu no dia anterior, etc).

Os jogos mentais tipo sudoku ou palavras cruzadas também ajudam a manter a agilidade mental.

Praticar desporto ou fazer caminhadas é também essencial para uma boa oxigenação do organismo, sobretudo do sistema nervoso.

As massagens, a osteopatia e a quiroprática são algumas técnicas ou terapias que favorecem a irrigação sanguínea cerebral e que ajudam a descontrair a zona cervical, que é por onde passa mais ou menos quantidade de sangue.

Reduzir ou tentar eliminar o estresse com psicoterapia, ioga, relaxamento, melhor planificação de tarefas e de necessidades, etc.

As visualizações também podem ser uma grande ajuda.

Sempre que se observe uma pioria importante da nossa memoria não evite uma ida ao seu médico para tentar averiguar a causa e fazer um tratamento adequado.

 

Em todos os casos recomendamos que consulte o seu médico, terapeuta ou outro profissional de saúde competente. A informação contida neste artigo tem uma função meramente informativa.

loading...

Deixe o seu comentário


SUBSCREVER GRÁTIS

Subscreva a nossa lista de email e receba novos artigos e actualizações comodamente na sua caixa de email.

Obrigado por nos subscrever.

Algo correu mal...

Os cookies ajudam-nos a fornecer os nossos serviços. Ao utilizar os nossos serviços, concorda com a utilização de cookies. Saber mais

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close