Demasiado exercício físico pode fazer mal ao coração

Detectámos que tem um Ad Blocker ativo.

As receitas provenientes da publicidade permitem-nos continuar a produzir artigos de qualidade. Considere desligar o Ad Blocker neste site. Obrigado pelo seu apoio.

Demasiado exercício físico pode fazer mal ao coraçãoNem muito, nem pouco. Tudo deve ter a sua conta e a sua medida. Já foram vários os estudos publicados na revista britânica de cardiologia, Heart, que afirmam que fazer demasiado desporto poderá ser prejudicial para o coração.

Quer saber mais informações sobre estes estudos? De seguida vamos explicar as conclusões destas investigações, que relacionam a actividade física em excesso com o risco de poder vir a sofrer um ataque cardíaco.

 

Desporto com moderação

Todos conhecemos os imensos benefícios do desporto na nossa saúde física e mental. Para nos mantermos em forma, para evitar e prevenir doenças, e até mesmo para melhorar o nosso estado anímico e reduzir o stress. O exercício físico é fundamental em qualquer etapa das nossas vidas, mas sempre de forma responsável e adaptado à nossa condição física.

 

A curva do J

Os estudos publicados na revista Heart revelam que os benefícios do desporto apresentam uma curvatura com a forma de um J. O que significa isso? Significa que praticar exercício físico durante mais tempo e com mais intensidade, não quer necessariamente dizer que seja benéfico para o nosso corpo, bem pelo contrário.

 

Risco de morte cerebral

Com efeito, segundo os dados de um destes estudos realizado na Suécia, demasiada actividade física pode aumentar o risco de morte cerebral, devido à possibilidade de haver um ataque cardíaco em pessoas com problemas relacionados com o coração.

O Hospital Clinic de Barcelona reforça estas opiniões, através de um editorial publicado na revista. Para além disso, os especialistas assinalam que a duração e a intensidade do exercício, não só estão relacionadas com o historial clínico dos pacientes, como ainda com a sua idade.

Por essa razão recomendam aos pacientes que padeçam de alguma doença cardíaca estável e com idade a rondar os sessenta anos, que façam actividade física de forma moderada e sempre sob o controlo médico.

 

A idade do paciente também tem influência

Estas conclusões apoiam-se nos dados de uma investigação realizada pelo German Cancer Research Center, com pacientes que padeciam de doenças cardíacas e com idades na casa dos sessenta anos. Os investigadores ficaram surpreendidos ao descobrir que os participantes que faziam exercício com demasiada intensidade, tinham o dobro das possibilidades de vir a ter um ataque cardíaco, do que os que não praticavam qualquer actividade física.

Deixe o seu comentário


SUBSCREVER GRÁTIS

Subscreva a nossa lista de email e receba novos artigos e actualizações comodamente na sua caixa de email.

Obrigado por nos subscrever.

Algo correu mal...

Os cookies ajudam-nos a fornecer os nossos serviços. Ao utilizar os nossos serviços, concorda com a utilização de cookies. Saber mais

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close