Arritmia cardíaca

Detectámos que tem um Ad Blocker ativo.

As receitas provenientes da publicidade permitem-nos continuar a produzir artigos de qualidade. Considere desligar o Ad Blocker neste site. Obrigado pelo seu apoio.

Arritmia cardíacaA arritmia é qualquer tipo de alteração ao ritmo cardíaco, seja porque o batimento cardíaco é diferente do ritmo normal ou porque varia a frequência do batimento. Deve-se ter em conta que a frequência cardíaca é diferente de pessoa para pessoa, pois depende das respectivas características físicas e da situação actual em que se encontre, como por exemplo situações de stress

Existem diferentes tipos de arritmias como a fibrilação atrial, a taquicardia ventricular ou a bradicardia.
Deve-se ter em conta que podem existir arritmias devido ao consumo de diferentes tipos de medicamentos ou substâncias, como por exemplo medicamentos contra a hipertensão, antidepressivos ou sedativos. Neste caso, quando termina o consumo do medicamento, o ritmo do coração irá recuperar a normalidade.
Entre os sintomas da arritmia podemos encontrar as palpitações, ou seja, tem-se a percepção do batimento do coração, desmaios, tonturas, dor no peito e dificuldade em respirar. A pessoa poderá ficar pálida e começar a suar profusamente. Em casos muito graves, a pessoa, pode inclusive chegar a sofrer uma paragem cardíaca
Para determinar se se sofre de arritmia, o médico irá auscultar o coração com um estetoscópio e verificar o pulso. Depois é feito outro tipo de exames, nomeadamente um electrocardiograma (ECG) que irá mostrar o traçado característico da fibrilação auricular. Poderá, no entanto, ser necessário fazer a monitorização cardíaca ambulatória contínua durante 24 horas (Holter), porque é frequente o início e o fim súbito de episódios de arritmia, que desta forma podem ficar registados. Outros exames que podem permitir identificar a causa da fibrilação auricular são: ecocardiograma, a prova de esforço, o cateterismo cardíaco e os estudos electrofisiológicos.
Em relação ao tratamento, dependerá da gravidade do problema e da causa subjacente. A medicação pode incluir antiarrítmicos, igitálicos, bloqueadores dos canais de cálcio e beta-bloqueantes para diminuir e regularizar o ritmo cardíaco e reduzir a actividade de condução do impulso eléctrico para os ventrículos. Também podem ser prescritos antiagregantes plaquetários ou anticoagulantes para evitar complicações, nomeadamente a migração de coágulos de sangue que se formam e se libertam mais facilmente durante e depois dos episódios de fibrilação auricular. Para tratar a fibrilação auricular pode ser também utilizada a cardioversão eléctrica que permite a conversão da arritmia (ritmo anormal) no ritmo sinusal (normal).
Para prevenir estes problemas, nada melhor do que seguir uma dieta equilibrada, não fumar nem consumir café em excesso e fazer exercício suave com regularidade.
No entanto e como de costume, advertimos que este artigo tem uma função meramente informativa, devendo recorrer imediatamente ao seu médico para que este possa fazer uma melhor e correcta avaliação do seu caso.

Deixe o seu comentário


Este artigo foi útil?

Então subscreva a nossa newsletter para receber novos artigos comodamente no seu email.

Obrigado por nos subscrever.

Algo correu mal...

Os seus dados estão seguros connosco. Veja a nossa Política de Privacidade.

Os cookies ajudam-nos a fornecer os nossos serviços. Ao utilizar os nossos serviços, concorda com a utilização de cookies. Saber mais

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close