A resposta da insulina indica a melhor dieta para perder peso

Detectámos que tem um Ad Blocker ativo.

As receitas provenientes da publicidade permitem-nos continuar a produzir artigos de qualidade. Considere desligar o Ad Blocker neste site. Obrigado pelo seu apoio.

A genética determina a forma como respondemos aos programas de exercício e perda de peso. Os locais onde se armazena a gordura, que são determinados geneticamente, influenciam a forma em como respondemos à perda de peso e também qual a dieta que funciona melhor.

Um estudo do Children’s Hospital em Boston demonstrou que as pessoas com uma composição corporal semelhante a uma maçã – as que armazenam a gordura no abdómen – perdem mais peso com dietas baixas em hidratos de carbono, em concreto com baixas cargas glicêmicas (40% hidratos de carbono, 35% de gorduras).

Este grupo de estudo (corpo tipo maçã) perdeu quase 6 kg em 6 meses e foram capazes de manter o peso nos 18 meses que se seguiram, seguindo uma dieta de manutenção.

As pessoas com este tipo de forma corporal – de maçã – segregam mais insulina, o que faz com que armazenem mais gordura na zona da barriga.

O outro grupo são as pessoas com uma forma corporal semelhante à silhueta de uma pêra. Neste caso, os sujeitos têm uma maior tendência a armazenar a gordura nas pernas e ancas. Assim, segregam menos quantidade de insulina ao digerir os alimentos.

As pessoas do grupo “pêra” perderam 4,5 kg com dietas baixas em hidratos de carbono e baixas em gorduras (baixa em gordura: 55% hidratos de carbono, 20% gorduras), no entanto voltaram a recuperar metade do peso perdido em 18 meses.

As pessoas que armazenam a gordura acima dos abdominais (as do tipo “maçã”), segregam mais insulina e perdem peso mais facilmente seguindo uma dieta alta em proteínas e baixa em hidratos de carbono.

Aquelas que armazenam gordura nas ancas e pernas (ao d tipo “pêra”) segregam menos insulina durante a digestão e perderam peso em qualquer dieta hipocalórica. Perdem peso de forma mais lenta, bem como a recuperam mais rapidamente.

Bibliografia | Journal American Medical Association, 297:2092-2102, 2007

Imagem | jking89

Deixe o seu comentário


SUBSCREVER GRÁTIS

Subscreva a nossa lista de email e receba novos artigos e actualizações comodamente na sua caixa de email.

Obrigado por nos subscrever.

Algo correu mal...

Os cookies ajudam-nos a fornecer os nossos serviços. Ao utilizar os nossos serviços, concorda com a utilização de cookies. Saber mais

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close