A obesidade e a genética

A obesidade e a genética

A obesidade e a genética
O elemento genético de um indivíduo pode influenciar em até 80 por cento a predisposição para a obesidade. Não obstante o facto de apenas 20 por cento estarem dependentes do nosso estilo de vida, são variados os casos de obtenção de sucesso na perda e subsequente manutenção do peso.
É verdade que a obesidade dos pais constitui um grande fator de risco para a obesidade futura da criança. Também aumentam as probabilidades de obesidade o facto de a mãe desenvolver diabetes gestacional. Por isso é que é recomendável à futura mãe que pratique algum tipo de exercício adequado pelo menos 5 vezes por semana.
Para combater a predisposição genética, o exercício cardiovascular (caminhada, corrida e ciclismo) deve ser praticado de forma regular, sendo que os alimentos mais calóricos e fornecedores de gordura ao organismo devem ser evitados como regra alimentar. A obesidade de predisposição genética está associada a uma tendência para a sobreprodução de insulina (hiperinsulinemia), a quantidade de açúcar ingerido assume ainda mais relevância do que as calorias. Devem-se evitar os hidratos de carbono refinados, cujos exemplos mais comuns são o pão, arroz branco, batata e doces.
Para combater a predisposição genética, devem ser ingeridos em maior quantidade alimentos proteicos e repletos de gorduras saudáveis, tais como frutos secos, fiambre de aves, carne peixe e ovos. Apesar de tendência geneticamente determinada, uma pessoa pode conseguir contrariar os seus genes e ser magra toda a vida. O que acontece é que lhe será exigido muito mais esforço para não engordar do que a outra pessoa sem a referida predisposição. Por isso, não há que ter rodeios ao afirmar que tal predisposição é uma doença crónica, pelo que o acompanhamento deve ser regular e personalizado. Dependendo da gravidade da predisposição, o estilo de vida saudável e alguns cuidados mais acentuados podem ser suficientes para conseguir não engordar. Contudo, poderá também, em casos mais graves, ser apenas a cirurgia bariátrica a solução.
3

Sem comentários

Escrever um comentário

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

Este artigo foi útil?

Então subscreva a nossa newsletter para receber novos artigos comodamente no seu email.

Obrigado por nos subscrever.

Algo correu mal...

Os seus dados estão seguros connosco. Veja a nossa Política de Privacidade.