Verdades e mentiras sobre a soja

Detectámos que tem um Ad Blocker ativo.

As receitas provenientes da publicidade permitem-nos continuar a produzir artigos de qualidade. Considere desligar o Ad Blocker neste site. Obrigado pelo seu apoio.

soja

Cada vez somos mais bombardeados com publicidade sobre as propriedades e os benefícios da soja na saúde. Este alimento apareceu com força no mercado e o seu consumo cresce cada vez mais. Bo entanto, não é assim tão boa como a pintam, uma vez que é preciso tomar algumas precauções em relação ao seu consumo.

Foi-nos dado a entender que a soja e os seus derivados são uma extraordinária fonte de saúde capaz de substituir alguns alimentos como a carne ou o leite. De facto, trata-se de um alimento rico em proteínas vegetais e aminoácidos essenciais, pelo que tem um grande valor nutricional. Para além disso, é composta por fitoestrógenos e minerais, especialmente cálcio, ferro, zinco e ácidos gordos polinsaturados. Mas então o que tem de mau?

A maior parte dos especialistas têm a mesma opinião de que tanto o cultivo como o tratamento da soja tem influência na qualidade e nos benefícios para a saúde. No entanto, é um dos cultivos transgénicos mais comuns, e frequentemente os seus nutrientes não são absorvidos pelo organismo humano porque não segue o processo de fermentação natural indispensável.

Muitos estudos concluíram que o consumo moderado de soja (abaixo das 30 gramas diárias) confere-lhe um valor proteico semelhante ao de outros alimentos (carne, ovos ou leite). Para além disso trata-se de um bom produto para ajudar a controlar o peso, para fortalecer os ossos e prevenir algumas doenças como a osteoporose, para controlar e reduzir o risco de doenças cardiovasculares e é benéfica para ajudar o trânsito intestinal.

Em contrapartida, os fitoestrógenos têm gerado muita controvérsia, já que actuam de forma similar à hormona feminina com o mesmo nome. Para algumas pessoas é a melhor forma de aliviar os sintomas da menopausa e exerce uma acção preventiva em relação ao aparecimento de determinados tipos de cancro. Pelo contrário, os detractores são de opinião de que a ingestão excessiva de estrogénios pode afectar negativamente o sistema endócrino e mesmo causar problemas no sistema de reprodução. Para além disso alguns estudos consideram que a presença de fitatos (ácido fítico) faz com que a absorção de vitaminas e minerais seja mínima.

loading...

Um comentário

Deixe o seu comentário


SUBSCREVER GRÁTIS

Subscreva a nossa lista de email e receba novos artigos e actualizações comodamente na sua caixa de email.

Obrigado por nos subscrever.

Algo correu mal...