Síndrome da fadiga crónica

Detectámos que tem um Ad Blocker ativo.

As receitas provenientes da publicidade permitem-nos continuar a produzir artigos de qualidade. Considere desligar o Ad Blocker neste site. Obrigado pelo seu apoio.

fadiga

A síndrome da fadiga crónica é uma doença que afecta aproximadamente 0,3% a 0,5% da população, e que não tem ainda cura, sendo apenas possível atenuar os sintomas. É uma doença que costuma afectar pessoas adultas entre os 30 e os 50 anos, mas que ocorre sobretudo em mulheres.

Trata-se de uma doença complexa caracterizada por um cansaço excessivo, do qual o paciente não consegue recuperar mesmo depois de descansar. Para além disso, é acompanhada por muitos outros sintomas.

Hoje vamos falar um pouco sobre esta doença, para tentar consciencializar as pessoas sobre a sua existência.

 

O que é a síndrome da fadiga crónica?

A síndrome da fadiga crónica, como referimos anteriormente, é uma doença que apenas ocorre numa pequena parte da população (diagnosticados, claro) e que consiste no aparecimento repentino de um cansaço extremo, do qual é muito difícil recuperar, mesmo quando o paciente descansa na cama.

A síndrome da fadiga crónica está relacionada com muitos e diversos sintomas que podem afectar o dia-a-dia das pessoas que dela padecem: desde enxaquecas e febre ligeira até ansiedade, transtornos do sono, depressão, perdas de memória e concentração, dores articulares (sem inchaço), sensibilidade nos gânglios linfáticos (situados no pescoço ou nas axilas) e até mesmo síndrome do colon irritável.

Síndrome da fadiga crónica

Porque acontece a síndrome da fadiga crónica?

Actualmente não são conhecidas as causas concretas desta doença, embora possa estar ligada ao vírus de Epstein Barr, ao vírus do herpes humano tipo 6 (HHV-6) ou a uma inflamação do sistema nervoso. Outras causas associadas podem ser a idade (tem uma prevalência maior nos adultos), causas genéticas ou factores ambientais.

Não existem testes específicos para detectar a síndrome da fadiga crónica, embora haja alguns que podem ajudar, como a ressonância magnética do cérebro ou a contagem de glóbulos vermelhos. Também é difícil diagnosticar a doença, uma vez que a fadiga é um sintoma associado a muitas outras doenças que é preciso descartar primeiro.

De uma forma geral, se notamos um cansaço extremo do qual não conseguimos recuperar e que persiste durante mais de seis meses, se demoramos mais de 24 horas a recuperar após a actividade desportiva ou se observamos pelo menos quatro dos sintomas descritos anteriormente, devíamos visitar o nosso médico para pedir a sua opinião e fazer os testes que ele ache por bem realizar.

tratamento síndrome da fadiga crónica

Qual é o tratamento da síndrome da fadiga crónica?

Actualmente não existe um tratamento que possa acabar com a doença, de modo que os esforços dos médicos vão no sentido de atenuar os sintomas que acompanham esta doença, tentando assim melhorar a qualidade de vida dos pacientes.

É realizado um tratamento multidisciplinar em relação à doença onde são conjugados a terapia cognitivo-comportamental, a alimentação saudável, o exercício gradual e a medicação nos casos em que existe dor, ansiedade (ansiolíticos) ou depressão (antidepressivos).

Também se recomenda aos pacientes que tentem levar uma vida social activa, assim como devem aprender diferentes técnicas de relaxamento e redução do stress.

loading...

Deixe o seu comentário


SUBSCREVER GRÁTIS

Subscreva a nossa lista de email e receba novos artigos e actualizações comodamente na sua caixa de email.

Obrigado por nos subscrever.

Algo correu mal...