Sementes de cânhamo, proteínas vegetais ideais

| Março 14, 2011 | 12 Comentários

As sementes de cânhamo serão talvez as melhores proteínas vegetais que existem, mas é preciso redescobri-las pois caíram em desuso actualmente.

 

Porque o uso do cânhamo quase desapareceu?

O governo dos Estados Unidos proibiu o cultivo de cânhamo há cerca de 60 anos pois era um forte competidor contra o algodão ali produzido. O mesmo foi tentado, difamando o azeite de oliveira, de forma a tentar introduzir o azeite de girassol na Europa.

É certo que algumas variedades são ricas em THC e têm componentes psicótrópicas, mas é apenas uma questão de cultivar somente as espécies adequadas que foi o que sempre se fez nos países mediterrânicos. É muito importante recordar que as sementes de cânhamo não contêm nenhuma substancia psicótropica.

 

Propriedades das sementes de cânhamo

O cânhamo é uma das plantas com maiores benefícios para o ser humano e o aproveitamento das suas inúmeras propriedades é feita já à milhares de anos.

Recordemos que do cânhamo pode-se fazer cordas, roupas, azeite para massagens, azeite para queimar, pode crescer em terrenos pobres, não necessita de pesticidas, precisa de pouca agua, serve para fabricar papel, tintas, etc.

Uma das propriedades mais interessante é o uso das sementes de cânhamo como proteína vegetal tanto para humanos como para animais. A sua riqueza em ácidos gordos tornam-nas bastante aconselháveis para cuidar ou prevenir doenças cardiovasculares. Ajudam ao bom funcionamento do sistema imunitário e são um potente antioxidante (ácidos gordos e vitaminas A e E)

São ideais para ajudar nos casos de dificuldade em defecar pois têm uma grande percentagem de fibras e são por si mesmas uma das proteínas vegetais de mais fácil digestão.

 

Informação nutricional das sementes de cânhamo (por cada 100 g.)

  • 25 % de Proteínas.
  • 35 % de Hidratos de carbono.
  • 35% de Azeite (ácidos gordos essenciais Ómega 3 e Ómega 6)
  • 380 Kcal.

Se é surpreendente o seu alto nível de proteínas vegetais também é preciso destacar a sua assimilação ou disponibilidade uma vez que contêm todos os aminoácidos essenciais e isso é muito importante para as pessoas vegetarianas ou que consomem poucas proteínas de uma forma geral.

Têm vitaminas A, C, D, E e do grupo B. Entre os minerais destaca-se a quantidade de cálcio, fósforo e ferro.

 

Como juntar sementes de cânhamo à dieta

As sementes de cânhamo podem-se consumir de muitas formas: inteiras, moídas, germinadas ou em forma de azeite.

  • Inteiras: tradicionalmente usam-se adicionando-as a bolachas e pães.
  • Trituradas: adicionando como condimento a saladas, pastas, sopas, etc.
  • Germinadas: é pouco conhecida esta forma de consumo e há que ter em conta que as suas propriedades aumentam ainda mais.
  • Farinha: podem-se usar como qualquer outra farinha “normal” para pizzas, bolos, bolachas, pão, hambúrgueres vegetais, etc.

 

A nível nutricional é interessante saber que estaremos a consumir um produto livre de pesticidas pois é uma planta que não precisa de nenhum produto químico. O sabor é suave e agradável recordando um pouco as sementes de frutos secos como girassol, avelã ou nozes.

 

Comparação entre sementes de cânhamo e de soja

Em 100 g.SojaSementes de Cânhamo
Proteínas35 g.25 g.
Acido Linolênico (LNA)1,5 g.6 g.
Acido Linoléico (LA)8 g.17 g.
Relação LNA: LA (ideal 1:3)1:71:3
Ferro6 mg.18 mg.
Fósforo460 mg.820 mg.
Calcio190 mg.170 mg.
Fibra5 g.35 g.
  • A soja será talvez, dentro das proteínas vegetais, a mais popular actualmente. Podemos ver que a soja tem mais proteínas e um pouco mais de cálcio.
  • No entanto as sementes de cânhamo têm proteínas vegetais de mais fácil digestão (não são legumes e também são ricas em aminoácidos) e também são mais completas a nível de ácidos gordos (tanto em quantidade como na proporção entre ácido linolênico e linoléico)
  • As sementes de cânhamo nunca são provenientes de culturas geneticamente modificadas, enquanto que a soja (se não vem certificada de origem ou de produção ecológica) pode ser.
  • As sementes de cânhamo não produzem alergias enquanto que a soja pode produzi-las em algumas pessoas.

Tags: , ,

Categoria: Alimentação saudável

Comentários (12)

Trackback URL | Feed RSS dos comentários

  1. Regina diz:

    Bom dia. Gostaria de saber onde posso comprar as sementes de cânhamo, por favor. Tenho vários problemas de saúde e o médico disse que essas sementes seriam um alívio para mim, mas estou procurando há dias e não encontro. Se alguém souber, por favor me fale.
    Obrigada
    Regina

  2. Marciano diz:

    Para quem gosta de fazer compras por internet, fica aqui um link onde podem comprar sementes de cânhamo:

    http://portuguese.alibaba.com/products/hemp-seeds.html

  3. jairo diz:

    Em casas agropecuarias , é largamente utilizada para pássaros indígenas , como trinca-ferro , azulão , curió e bicudo.

  4. manuel duarte diz:

    As sementes de Cânhamo podem ser adquiridas na LOJA ” Cânhamo House Hemp ” . Única loja em Portugal só com produtos de Cânhamo.
    Constituímos, também já, a CANAPOR – Cooperativa para o Desenvolvimento do Cânhamo, CRL

  5. jose coutinho martis diz:

    quero comprar sementes de cânhamo para meus pássaros, peco enviar um emayl com tudo para a compra. grato
    Email: abbadiap@uol.com.br

  6. Nivea diz:

    Eu gostaria de saber exatamento para que serve a semente de canhamo?

    • Paulo diz:

      As sementes de cânhamo foram consumidas pela humanidade (e pelos animais) durante séculos. Populações inteiras, sobretudo na China, sobreviveram em épocas de fome devido a estas sementes.
      Na China, no cinema, ainda se podem comprar sementes de cânhamo tostadas, da mesma forma que no Ocidente se encontram pipocas.

      As sementes de cânhamo têm uma proporção de omega 3 e 6 ideal para a saúde humana. São igualmente ricas em minerais e em aminoácidos essenciais, o que as torna numa fonte completa de proteínas. Pela sua riqueza nutricional podem mesmo ser consideradas um super alimento da natureza.

      O consumo do óleo e das sementes de cânhamo é ideal para pessoas com baixo nível de ácidos gordos essenciais, e também para atletas e crianças. É ainda particularmente valioso à população vegetariana e vegana, que encontra no cânhamo uma fonte completa de proteínas.

      As sementes de cânhamo inteiras (com casca) são óptimas para fazer leite de sementes de cânhamo, para germinados ou moídas para usar em receitas com farinha. Por sua vez, as sementes descascadas são ideais para povilhar massas, saladas, arroz, para enfeitar sobremesas ou para comer simples.

      O óleo de cânhamo tem um sabor suave e é ideal para temperar saladas. Devido ao seu elevado índice em ácidos gordos essenciais, não deve ser aquecido porque o calor destruirá os ácidos gordos. No entanto, pode ser adicionado a todos os alimentos retirados do calor, para melhorar o seu sabor e índice nutritivo.

      Uma das maneiras mais simples de consumir cânhamo é em batidos. Basta misturar, num liquidificador, sementes de cânhamo orgânicas (inteiras ou descascadas) com fruta e um pouco de sumo.

      Uma outra forma de aproveitar toda a riqueza nutricional do cânhamo é confeccionar leite das suas sementes.

      A receita é simples:

      coloque as sementes de molho durante 24 horas com algumas amêndoas orgânicas.
      escorra, passe por água e misture num liquidificadora com um pouco de água.
      coe com um pano ou um passador e está pronto a consumir.
      Pode ser conservado durante 48h no frigorífico. Existem também já máquinas que permitem confeccionar o leite de cânhamo (assim como de outras sementes e frutos secos) de forma mais rápida (cerca de 2 minutos) e prática.

      De forma a aproveitar a riqueza nutricional do cânhamo, no mercado começam a aparecer alimentos confeccionados a partir das suas sementes. Uma das novidades são barras energéticas à base de sementes de cânhamo e frutos. São pois uma excelente fonte de proteínas (cerca de 12g/100g) e um alimento bastante energético (396kcal/100g).

      Ácidos gordos essenciais:

      Os ácidos gordos essenciais são considerados necessários para a saúde humana e devem obter-se nos alimentos pois o nosso corpo não os consegue produzir sozinho.
      Estas gorduras são também conhecidas como ómega 3 (ácido alfa linoleico) e ómega 6 (ácido linoleico) e estão disponíveis em sementes (de abóbora sésamo, linhaça, cânhamo, girassol), frutos secos (nozes, amêndoas) e no óleo dos peixes gordos.

      Embora seja comum promover-se o peixe como uma boa fonte de ácidos gordos essenciais, devido à contaminação das águas, o peixe é cada vez menos saudável e apresenta muitas vezes elevados índices de mercúrio.

      Fontes preferíveis são, sem dúvida, as sementes (ou o seu óleo, como por exemplo, o de girassol ou de soja) e os frutos secos.

      Além disso um bom equilíbrio entre a quantidade de ómega 3 e de ómega 6 é muito importante, pois demasiado ómega 6 pode ter efeitos prejudiciais. As sementes de cânhamo neste aspecto são a melhor alternativa, pois têm a proporção ideal.

      Os ácidos gordos beneficiam o corpo em muitos aspectos, mas dois deles são evidentes: as células e o cérebro. Os ácidos gordos protegem as membranas celulares e mantêm o fluído celular – importante para manter a pele saudável e na cicatrização de feridas. Também o nosso cérebro é constituído por 60% de gordura, sendo que mais de 1/3 são ácidos gordos.

      Consequentemente a qualidade das gorduras é importante para uma função apropriada do cérebro. A falta destas gorduras foi já associada a dificuldades de aprendizagem e a problemas de comportamento em crianças.

      Vários estudos têm comprovado que evitar as gorduras saturadas (provenientes da carne, lacticínios, óleo de palma e óleo de coco) e hidrogenadas (incluídas em margarinas, manteigas, biscoitos, bolachas, bolos e comida pré-confeccionada) e preferir gorduras ricas em ómega 3 e 6 diminui a incidência de doenças cardiovasculares e o nível de colesterol.

Deixe o seu comentário

Atenção: As informações disponibilizados neste site são para conhecimento geral e não substituem de forma alguma o conselho médico apropriado em caso de sentir algum sintoma de doença, nunca devendo ser utilizado como substituto ao diagnóstico médico ou tratamento sem consultar um profissional de saúde.