Os radicais livres, uma ameaça à nossa saúde

Detectámos que tem um Ad Blocker ativo.

As receitas provenientes da publicidade permitem-nos continuar a produzir artigos de qualidade. Considere desligar o Ad Blocker neste site. Obrigado pelo seu apoio.

Os radicais livres são um factor a ter em conta pois todos os estudos confirmam serem uma grande ameaça para a saúde.

 

O que são os radicais livres?

Os radicais livres são átomos, geralmente de oxigénio, altamente reactivos e instáveis, que se libertam quando o alimento é metabolizado nas nossas células para produzir energia. Também são produzidos por influencia externa devido ao impacto de contaminantes ou radiações.

A sua instabilidade deve-se a terem perdido um dos seus electrões e tentam repo-lo, roubando-o a outros átomos. Isto cria uma reacção em cadeia que produz grandes danos nas nossas células.

Tudo isto porque o oxigénio é um elemento altamente reactivo. Um átomo de oxigénio está sempre em busca de outro átomo com o qual se vai combinar ou trocar de electrões.

Mas esta mesma característica torna-o num elemento altamente tóxico e perigoso. Quando reage com os outros átomos e moléculas, o oxigénio transforma-se em oxidantes, entre os quais se encontram os radicais livres.

 

Como nos afectam os radicais livres?

O excesso de radicais livres no organismo afecta-nos da seguinte forma:

Envelhecimento: produzido pela acumulação ao longo dos anos de radicais livres. Como consequência ver-se-há dificultada a nutrição da pele, perdendo firmeza e elasticidade.

Problemas no sistema cardiovascular: é favorecida a aparição de arterioesclerose devido ao endurecimento das paredes arteriais.

Problemas no sistema nervoso: o impulso nervoso é diminuído, tal como os reflexos, a memoria e a aprendizagem, podendo mesmo vir-se a sofre de demência senil.

 

Dieta e alimentos antioxidantes para combater os radicais livres

Os antioxidantes, fornecidos pela alimentação, mais conhecidos e que nos ajudam a combater os radicais livres são:

Beta caroteno (pró-vitamina A): Cenoura, manga, tomates, melão, pêssego, espinafres…

Vitamina E (tocoferol): Frutas e vegetais como o abacate, batata doce, espargos, espinafres, tomates, brócolos, amoras e cenouras.

A vitamina C (ácido ascórbico): Groselhas, pimento verde, kiwi, limão, morangos, couve flor, couves de Bruxelas, laranjas, tomates, nabo e melão.

O selénio: Carne, peixe, cereais integrais, nozes e produtos lácteos.

Existem muitos mais e com um poder antioxidante muito superior aos anteriores, como o extracto de semente de uva, o ácido alfa lipoico, os bioflavónoides, a curcumina e a coenzima Q-10.

Os flavonóides são compostos polifenólicos encontrados nas frutas e vegetais. Também se encontram no chá verde e no vinho.

Nas frutas que foram colhidas maduras encontra-se grandes quantidades de flavonóides, carotenóides, licopenos, indois e luteínas.

 

Pode-se tomar algum suplemento?

Podemos tomar suplementos contra os radicais livres como, por exemplo, as cápsulas de resveratrol (antioxidante da uva), ou outras que podemos encontrar nas ervanárias e farmácias. É importante fazê-lo sempre sob supervisão de um médico ou especialista já que o excesso de qualquer nutriente pode ser contraproducente.

Por isso, é mais eficaz tomar alimentos ricos em antioxidantes do que suplementos. Na natureza, os alimentos integrais têm uma harmonia em si mesmos. Os azeites, por exemplo, têm o seu próprio antioxidante incorporado, os cereais, as vitaminas do grupo B necessárias para a sua metabolização, etc.

Por esse motivo é mais benéfico e completo tomar os alimentos vegetais tal e qual como a natureza os cria.

 

Notas preventivas contra os radicais livres

Devemos evitar: a inalação de vapores de produtos de limpeza; o fumo dos carros, tabaco, etc.; a excessiva exposição ao sol; os alimentos cozinhados com azeites queimados, muito processados, defumados; as fotocopiadoras e impressoras (devem estar em lugares bem ventilados); a actividade física repentina e extenuante e o stresse.

Devemos procurar: Comer todos os dias verdura (em salada, ao vapor ou salteada, variada e fresca); comer mais fruta; utilizar azeite de oliveira e algumas gotas de limão para temperar a salada; não queimar os alimentos e evitar fritos e reutilizar os azeites; beber chá verde; consumir alimentos orgânicos e fazer exercício, mas não de forma extenuante.

 

Em resumo, diremos que para combater os radicais livres temos que levar uma vida saudável, sem tabaco e uma dieta livre de gorduras saturadas e ácidos graxos trans. A saúde do nosso corpo depende da saúde das nossas células.

Vamos evitar os radicais livres!

loading...

Deixe o seu comentário


SUBSCREVER GRÁTIS

Subscreva a nossa lista de email e receba novos artigos e actualizações comodamente na sua caixa de email.

Obrigado por nos subscrever.

Algo correu mal...