Consequências da desidratação

| Março 28, 2012 | 0 Comentários

O corpo humano perde por dia cerca de 600 ml de água através da respiração, do suor e idas à casa de banho, pelo que é muito importante repor esta quantidade de água bebendo 8 a 10 copos de água natural (em média) diariamente, valor este que pode variar consoante o grupo populacional de que se trate.

Entre as consequências da desidratação, encontram-se o cansaço, pele seca, acidez no estômago, gastrite, colite, prisão de ventre, infecções urinárias, artrite, mucosas secas, dores de cabeça, diminuição do desejo sexual e mesmo depressão.

Pelo contrário, o excesso de água também é nocivo porque pode danificar a função renal provocando inchaço do organismo, perda de vitaminas, minerais e fibras, provocando desnutrição ou anemia e uma diminuição dos níveis de glicose no sangue, causando diabetes (o tomar agua em demasia também está associado a problemas como a anorexia e bulimia).

 

desidratação
Crianças

É muito importante que tanto bebés como crianças estejam sempre bem hidratados, especialmente nos períodos em que possam estar doentes, épocas de muito calor e quando brincam ou têm muita actividade física. Isto é uma condição indispensável ao seu bom crescimento, para a melhoria do seu desempenho e concentração e ainda para outros processos de aprendizagem.

 

Mulheres grávidas

Durante toda a gravidez a agua tem uma importância vital, não só para a mãe, como também para o bebé porque beber líquidos constantemente renova o líquido amniótico (que é o meio ambiente do bebé). Além disso, a desidratação afecta a composição do leite da mãe e o seu estado anímico.

 

Idosos

Com o passar do tempo, o corpo de um adulto perde a capacidade para detectar a sede, pelo que devem hidratar-se de forma continua ao longo do dia, particularmente a partir dos 60 anos e durante o envelhecimento, de forma a evitar problemas maiores de saúde.

Tags: , ,

Categoria: Saúde

Deixe o seu comentário

Atenção: As informações disponibilizados neste site são para conhecimento geral e não substituem de forma alguma o conselho médico apropriado em caso de sentir algum sintoma de doença, nunca devendo ser utilizado como substituto ao diagnóstico médico ou tratamento sem consultar um profissional de saúde.