Como perder o medo de dirigir

Detectámos que tem um Ad Blocker ativo.

As receitas provenientes da publicidade permitem-nos continuar a produzir artigos de qualidade. Considere desligar o Ad Blocker neste site. Obrigado pelo seu apoio.

Como perder o medo de dirigir
O que é o medo de dirigir ou conduzir?

As pessoas que têm medo de dirigir muitas vezes não conhecem as razões desta fobia, não o associam a nenhum evento traumático em particular, embora por vezes esse medo esteja perfeitamente identificado, estando relacionado com os acidentes de trânsito que de que foram vitimas ou onde perderam algum ente querido.

Eis um caso: a encarregada do transporte escolar saiu para recolher as crianças, mas no caminho foi atropelada e lamentavelmente perdeu a vida. A informação correu a escola e as crianças ficaram traumatizadas, mas a criança mais afectada seria o primeiro que iria atravessar a estrada, e que comentava: “se tivesse ido com ela também teria morrido”.

É este tipo de acontecimentos lamentáveis e dolorosos que muitas vezes criam os medos ou fobias.

 

Questionar-se sobre as razões do medo de dirigir

É importante identificar quando tem início esta fobia para conduzir. Deve-se conhecer a sua origem, o que o provoca e também identificar o que se poderia fazer para evitar este pânico. É importante ver o que é que representa este medo de dirigir, já que quando estamos ao volante movermo-nos mais agilmente e também temos o controlo da situação. O condutor é o comandante e quem decide como, quando e qual a direcção a tomar e a velocidade a ir. É então importante visualizar o que é que se está a evitar com esta fobia de dirigir, questionando-se se existirá alguma coisa que não se atreve a enfrentar? Haverá algo mais do que o simples facto de conduzir um automóvel?

Quando identificamos a origem da fobia podemos erradicá-la, e então podemos começar a viver plenamente, com mais liberdade e sensação de bem-estar, melhorando consideravelmente a nossa qualidade de vida.

 

Avaliar a fobia de dirigir

É importante fazer uma avaliação sobre a fobia de dirigir, que pode ser ligeira, moderada, aguda ou severa. Nem todas as pessoas apresentam os mesmos níveis de medo. É também preciso avaliar quais são os momentos e as circunstâncias em que este se apresenta, já que pode acontecer apenas nalguns momentos onde os níveis de stress por outros factores também têm a sua influência.

Por exemplo, quando se assiste a um evento doloroso ao volante de uma viatura, é possível que ocorra um ataque de pânico, e que seja acompanhado pela fobia de dirigir. Mais concretamente, existem pacientes que sofrem ataques de pânico dentro do carro, e que após se conseguirem acalmar, ao terem de pegar novamente no volante, não conseguem dirigir pois associaram o ataque de pânico com o acto de conduzir.

 

Recomendações para controlar a fobia de dirigir

É importante que quando se sinta um medo intenso e irracional a caminho, se visite um especialista de forma a compreender melhor as suas causas. Não é fácil tomar a iniciativa de procurar ajuda, mas vale a pena, uma vez que quando erradicamos uma fobia, a nossa vida melhora imenso, tanto a nível emocional como pessoal, profissional, escolar, amoroso, etc.

É recomendável que a pessoa que padece do medo de dirigir não se sinta pressionada para começar o tratamento, uma vez que a pressão gerada externamente pode criar dificuldades ao tratamento psicológico e é contraproducente.

Quando uma pessoa busca ajuda, deve-o fazer porque está convencida realmente que quer ser ajudada, e que não é devido às pressões feitas pelos amigos ou familiares, já que assim não funciona a psicoterapia, e isso pode ser uma perda de tempo, de dinheiro e pode até mesmo desmotivar o paciente a realizar o tratamento.

É importante esclarecer que o facto de a pessoa superar a fobia de dirigir, não implica que comece imediatamente a conduzir. Irá sim é diminuir gradualmente o pavor de pegar no volante, e lentamente e caso o paciente o queira, é que irá começando a conduzir.

 

Sabia que?

São diversas as formas em que as fobias se podem apresentar. Por essa razão, deve-se consultar um especialista para se certificar se padece de alguma fobia e qual é a melhor forma de a atacar, uma vez que é diferente para cada pessoa, tanto na intensidade, na percepção, no sentimento e nas suas origens. É por essa razão que o tratamento deve ser totalmente personalizado e adaptado a cada pessoa.

loading...

Um comentário

Deixe o seu comentário