Alimentos que combatem o colesterol alto

| Fevereiro 10, 2011 | 0 Comentários

O colesterol alto é um risco cardiovascular que pode atacar de forma silenciosa o nosso organismo e representar um perigo para a saúde. No entanto, se o queremos combater devemos ter como aliados alguns alimentos, inimigos do colesterol alto.

Para reduzir o colesterol no sangue e assim erradicar este factor de risco para o coração, podemos e devemos incluir na nossa dieta os seguintes alimentos:

Maçã: pela sua riqueza em pectina, um tipo de fibra saudável que reduz a absorção do colesterol e outras gorduras no intestino. Consumir uma maçã por dia é uma grande ajuda para reduzir o colesterol no sangue, a qual deve ser sempre que possível comida com pele.

Aveia: este cereal também é muito rico em fibras saudáveis que ajudam a diminuir o colesterol no sangue, e por isso, incluir aveia no pequeno almoço ou em pratos salgados como pasteis ou pastas poderá ser uma grande alternativa.

Frutas secas: além de terem uma grande quantidade de fibra, têm também gorduras boas que ajudam a aumentar o colesterol bom cardioprotector e a reduzir o colesterol mau. Melhoram o perfil lipídico em beneficio do organismo. Umas 5 nozes ou amêndoas ao dia serão suficientes para combater o colesterol.

Legumes: soja, ervilhas, feijão, lentilhas, grão, são grandes inimigos do colesterol, pois possuem grandes quantidades de fibras, favorecendo a saciedade rápida do organismo e são aliados na perca de peso, e no combate ao colesterol elevado.

Claro que além destes inimigos do colesterol, devemos saber quais os alimentos que se deve evitar comer para reduzir o colesterol ingerido e as gorduras que favorecem o seu aumento no sangue, assim como fazer actividade física e manter os níveis de stress em baixo.

Estes não são alimentos mágicos, mas são extremamente eficazes para ajudar a controlar os níveis de colesterol no sangue.

Tags: , ,

Categoria: Alimentação saudável, Saúde

Deixe o seu comentário

Atenção: As informações disponibilizados neste site são para conhecimento geral e não substituem de forma alguma o conselho médico apropriado em caso de sentir algum sintoma de doença, nunca devendo ser utilizado como substituto ao diagnóstico médico ou tratamento sem consultar um profissional de saúde.